Artesol participa de Fórum sobre comércio justo entre Brasil e União Europeia

A Artesol participou nessa quinta-feira (21/06) do "Fórum de Discussão sobre Comércio Justo e Ético entre União Europeia (UE) e Brasil", que aconteceu no Rio de Janeiro – sendo pela primeira vez realizado em um país latino.

Hoje, mais de 75% das vendas globais de produtos de comércio justo ocorrem no mercado da UE e a demanda do consumidor europeu é atualmente superior à oferta interna disponível. Por esse motivo, o mercado da Europa apresenta uma oportunidade  interessante para os produtores brasileiros que se encaixam no perfil.A programação do Fórum inclui sessões sobre Comércio Justo e Mercados Europeus, workshops práticos para ajudar os produtores brasileiros a acessar o mercado da UE e sessões de networking. 

Segundo Josiane Masson, diretora executiva da Artesol, o Fórum proporcionsou diversas trocas de experiências sobre certificação, divulgação do movimento fair trade, processos de exportação, tendências mundiais desse mercado, o cenário do movimento no Brasil e na Europa. “ O evento criou um espaço muito importante para aproximar articuladores e atores do movimento com diferentes papéis,  principalmente os agentes do Brasil”, explicou a gestora.

O Comércio Justo é um sistema de comércio alternativo internacional, com o objetivo de permitir que associações, cooperativas e coletivos de agricultores familiares, artesãos e pequenos produtores possam acessar o mercado de forma digna e com rendimentos justos. Por isso, as relações comerciais são baseadas na valorização e na parceria entre produtores, estabelecimentos comerciais éticos e consumidores. Entre os princípios do comércio justo estão pagamento digno aos produtores e agricultores,  manejo sustentável de matérias-primas e igualdade de gênero no na remuneração de trabalhadores, entre outros.

A Artesol é, atualmente, uma das 400 organizações em todo o mundo que integram a WFTO (World Fair Trade Organization) e têm como missão melhorar as condições de vida dos pequenos produtores – especialmente os artesãos tradicionais, conectando-os diretamente ao mercado e estimulando trocas mais justas. Além disso, a organização tem um importante papel de produzir e divulgar informaçoes qualificadas sobre os artesãos e o processo de produção do artesanato brasileiro para sensibilizar os consumidores sobre o valor dos objetos criados por esses produtores.

Além do artesanato, o Brasil é um importante produtor dos mais diferentes produtos  éticos. Por isso, o objetivo principal do evento é identificar novas oportunidades de negócios entre a UE e o Brasil. Ao todo, mais de 100 organizações e empresas do setor participaram do Fórum no Rio de Janeiro, incluindo representantes da World Fair Trade Organization, da FTAO, International Trade Center e da CLAC, além de membros da União Europeia, como  Alemanha, o Reino Unido, a Itália, a Espanha, a Bélgica, a Polônia, a Grécia e Portugal.